terça-feira, 7 de março de 2017

Cara de Bandido

Estou na sala de aula, pagando uma matéria pendente. A sala é estranha para mim, em sua maioria adolescente; notei que o assunto que norteia a discussão dessas 'crianças' é Polícia. É engraçado ouvir opiniões deformadas sobre a legalidade da ação policial, se pode ou se não pode abordar, afinal, "eles não têm CARA-DE-BANDIDO", - rebatem!

Eu fico escutando caladinho, aproveitando o intervalo para descansar de minhas jornadas, afinal, largo do serviço em um dia e sigo imediatamente para a faculdade, e no outro dia largo da faculdade e sigo para tomar banho em casa e começar o outro turno da escala, e assim repete-se nos dias úteis.

Eu queria saber o que é CARA-DE-BANDIDO, alguém pode me explicar? Porque ao longo das minhas quase duas décadas de serviços prestados, nunca consegui definir qual a VERDADEIRA CARA-DE-BANDIDO. Acredito que se julgam acima de qualquer suspeita, não sei no que se baseia esse ACHISMO, mas posso garantir que estão ILUDIDOS!

Acho (só acho), que não ocupam 10 minutos de seu mundo encantado com um bom TELEJORNAL, SITES DE NOTÍCIAS, ou COLUNAS DE JORNAIS DE VERDADE. Acho (e só acho!), que são expectadores de telejornais comprados os quais não preciso citar (GLOBO, TV JORNAL), ou sua fonte de informação digital não passa de FACEBOOK ou WHATSAPP.

- Pagou imposto? Usufrua do direito dos serviços públicos, dos quais a ABORDAGEM POLICIAL é essencial para a primária garantia da SEGURANÇA PÚBLICA.

- Tá magoando ser abordado com uma arma apontada em sua direção? o policial precisa primeiro garantir a própria segurança para proporcionar a sua (o policial não sabe se sua impressora 3d já imprimiu uma arma letal!!!). 

- Você acha que não oferece  nenhum tipo de ameaça? Aprenda que o perigo não tem rosto, e não existe essa de CARA-DE-BANDIDO!

- Acha que Polícia não é necessário? Saia dessa UTOPIA! Vá ao Espirito Santo na Grande Vitória, e pergunte as vítimas que sobreviveram  à recente paralisação da PM de lá.

- Acha que a Polícia não é legal? Vá na CONSTITUIÇÃO FEDERAL e rasgue-a! Somos agentes necessários para a garantia de seus direitos, até o seu direito de pensar bosta a respeito da PM!

No mais, escutar tantos debates inflamados de revolucionários de celular,  sem ao menos olhar de lado e sentir pena de seus difusores, só me prova que estou amadurecendo, e que preciso encarar meus colegas de turma, como vítimas de uma sociedade de idiotas.

Polícia Militar e a Revolta da chibata.

Em 22 de Novembro de 2017, completará 107 anos que aconteceu uma das maiores reivindicações de Militares da história do Brasil. O fato ocorreu nas Forças Armadas, no Ambiente da Marinha, quando Marcelino Rodrigues, um Marinheiro, foi punido com 250 chibatadas impostas pelo Comando da época, devido a uma transgressão deste militar subordinado contra outro colega de caserna.

Como se não bastasse o castigo físico, esse ato "disciplinar" era aplicado na presença dos demais subordinados, como uma forma coercitiva para limitar os ânimos dos MILITARES da Marinha. Entretanto, o resultado desse abuso surtiu um efeito inesperadamente contrário; liderados pelo Almirante Negro (João Cândido) e desencadeada a revolta, o COMANDANTE DO NAVIO E TRÊS OFICIAIS MORRERAM, a classe das praças ganhou mais adeptos ao chegar na Bahia de Guababara. Com o CAOS INSTALADO, os MILITARES fizeram exigências, dentre as quais se exigia o fim dos castigos físicos, melhoria da alimentação e ANISTIA para os participantes dessa que ficou conhecida como a REVOLTA DA CHIBATA. Caso não fossem atendidos, ameaçavam BOMBARDEAR A CAPITAL BRASILEIRA, na época, a então Cidade Maravilhosa.

Covardemente, o GOVERNO traiu os Amotinados; fazendo-se vencido, esperaram a tropa rebelada baixar as ARMAS e, diante da bandeira branca de paz, o Presidente Hermes da Fonseca, expulsou alguns revoltosos, o que ocasionou uma Segunda revolta no começo de dezembro, na Ilha das Cobras, o que desta vez houve forte repressão do  governo, havendo várias prisões de marinheiros  em celas subterrâneas da Fortaleza da Ilha, outros presos foram enviados para a Amazônia, onde seriam forçados aos trabalhos na produção de borracha e por último, o líder da revolta João Cândido foi expulso da Marinha e internado como louco no Hospital de Alienados. O Líder do movimento, foi absolvido no ano de 1912 das acusações junto com outros marinheiros que participaram da revolta.

 Hoje, quase 107 anos após, devido ao mesmo problema da NÃO NEGOCIAÇÃO ou busca de soluções  aos dilemas existentes, a classe de Praças, desta vez da FORÇA AUXILIAR, "parece" viver uma história cíclica.

Devido a uma ATITUDE tomada por um Major da PMERJ, o qual agrediu com estrangulamento esposas de Praças que faziam protestos pacíficos, e associando a isso o apoio irrestrito de um Capitão que desafiou os queixosos a irem ao seu encontro NO BATALHÃO, instalou-se na Corporação daquele ESTADO, um clima de troca de farpas. Não se sabe se há ligação, mas o Capitão Bandeira veio a óbito, numa emboscada onde foi metralhado.

 O clima de insatisfação cresce nos demais Estados devido a forma como os Militares Estaduais são tratados por seus respectivos Governantes. 

No Espirito Santo, expulsa-se POLICIAIS MILITARES que tiveram envolvimento com a última Greve gerando sentimento de injustiça contra a tropa; 

Em Pernambuco, a desvalorização dos POLICIAIS MILITARES em detrimento a outra categoria (Polícia Civil) da mesma Secretaria, resulta numa batalha de resistência que já trouxe o Natal e Réveillon mais violentos de todos os tempos neste Estado, e Devido a FALTA DE NEGOCIAÇÃO E ATENDIMENTO AOS ANSEIOS DA TROPA o maior Bloco Carnavalesco do Mundo, o Galo da Madrugada, não vislumbra uma estatística muito otimista, pois POLICIAIS se recusam a trabalhar nas suas folgas, o que reduziu em até 60% o número desses Policiais nas ruas de todo o Estado Pernambucano.

 A Revolta da Chibata é só um exemplo do que pode acontecer quando uma categoria é OPRIMIDA por regimes e políticas degradantes a condição humana. Hoje o Castigo não é mais a CHIBATADA, mas a intransigência na hora de escutar, sentir, e atender aos anseios e da TROPA que apenas pede um salário condizente com sua função.

 Todos, políticos e sociedade, sabem da importância dos serviços prestados pelos Militares Estaduais, de sua necessidade de atuação contínua, presente e visível, entretanto, menosprezam seus soldados como desprezamos uma formiga, isolamos alguns indivíduos, os pisamos, os subestimamos, mas esquecemos que podemos ser surpreendidos com sua reação em cadeia, como um formigueiro inteiro que sai ao ataque de seu ameaçador.

 GOVERNADORES e COMANDANTES: ouçam suas tropas! Atentem para seus sinais, não os subestimem por causa de um Código de Conduta, o respeito imposto pelo medo tende a ser desafiado e ultrapassado. Unam-se a esses que são seus BRAÇOS e PERNAS: se eles pararem, o Estado Para, fica desprotegido e a mercê do VERDADEIRO INIMIGO, Não se apoiem nas punições ou ameaças, mas no RESPEITO e RETRIBUIÇÃO.

A TROPA tem o prazer de SERVIR, mas precisa garantir, como um verdadeiro herói, o Pão de cada dia para seus familiares que não sabem se é certo o retorno do guerreiro que todos os dias escolhe combater o crime, mesmo com o risco da própria vida.

domingo, 5 de março de 2017

PMPE: Ame-a ou Deixe-a!

Nos últimos 3 anos, tive lideranças de classe de envergadura tal, que acredito não haverá semelhante no tempo que me resta nessa categoria. Três guerreiros, verdadeiros Gladiadores: Dep. JOEL DA HARPA, Cb. ALBERISSON e Cb. NADELSON, homens de fazer inveja a qualquer líder sindical, e que seriam abraçados para alavancar qualquer grupo de trabalhadores CORAJOSOS.

INFELIZMENTE, a tropa da PMPE não merece esses representantes. Pensei em algum momento que devido ao crescimento intelectual das miríades policiais, deveríamos conquistar tudo que fosse um pleito Justo, mas estava enganado; a tropa de fato cresceu intelectualmente, tanto o pessoal antigo, quanto pelo ingresso dos novatos concurseiros, porém isso não equivale ao ter CORAGEM; A tropa é covarde, intelectuais no papel, diplomados, mestres, especialistas, técnicos... mas não passam de policiais ADESTRADOS, como bem falou o Ilm°. Sr. Ângelo Gioia, quando fazia suas considerações sobre o efetivo da Rádio Patrulha, Diploma não liberta uma mente escrava, não traz hombridade, nem abre os olhos dos formados.

Abandonamos quem nos estendeu a mão, e abraçamos quem mostrava hostilizar.

Retiro minha refutação aos repórteres que nos definiram abaixo do valor que nós estimavamos possuir, fazendo póstumos pronunciamentos públicos para tentar remediar as ofensas absorvidas pela tropa... tenho que concordar com TODOS. Pra quê o Policial Militar ganhar um bom salário? Para quê o reconhecimento de um crescimento da classe? Para quê protestos? Se no final das contas, aceitamos as mais pífias definições de quem se julga dono, especialista, e patrão da Polícia.

Estou aprendendo com meus superiores e pares que a Polícia tem uma máxima:

"AME-A OU DEIXE-A!"

 É isso que que ouvimos quando reclamamos  das condições de serviço ou desfavorecimentos de Escalas:

Procure suas Melhoras! Peça baixa! Estude para outro concurso!

Estar na Polícia Militar de Pernambuco, é ser exigido de um amor incondicional, que suporte todos os deslizes e ofensas... Não acredito neste tipo de relacionamento, e sinceramente, estou começando a aceitar que esse é o único modo da Tropa mudar: mudando de efetivo!

Os que não se acovardam em bradar, são logo definidos por subversivos, chiadores, problemáticos, complicados, abusantes... esses são incômodos aos interesses da caserna, e são constantemente cobrados a Amar ou Deixar a Polícia Militar; são os subversivos, indesejados por possuir mais que diplomas ou certificados: possuem OPINIÃO.

A PMPE nunca vai mudar! Pois suas fileiras apesar de estar cheias de conhecimentos, possui poucos com sabedoria, bravura, Força e Honra! vi esta comprovação nos movimentos liderados a pouco. Muitos dos que se traíram eram dos recém ingressados concurseiros! Homens e mulheres que por muitas vezes se gabam de suas formações acadêmicas, especializações, vocabulários rebuscados... porém, mostraram-se verdadeiros escravos e cegos! Mostrando uma utilidade apenas higiênicas de seus miseráveis diplomas...

Vamos mudar de tropa! Vamos buscar onde podemos ser de fato valorizados! Deixemos a PMPE para esses coitados Catadores de Mangas, que se colocam abaixo do chão numa casta mais segregadora que a casta indiana.. eles venceram! Estão em maior número! Os que possuem OPINIÕES FORMADAS, devem pedir baixa antes que seja crime a exposição do pensamento.

No mais, meus sinceros agradecimentos ao Dep. JOEL DA HARPA, ao Cb. NADELSON e ao Cb. ALBERISSON pela coragem, e exposição pela causa da Tropa, Vocês foram perfeitos! Quero também registrar aos guerreiros que atenderam aos chamados: FORÇA E HONRA! e aos covardes... espero que gostem, não reclamem e vivam bem com as migalhas que lhes dão.

Finalizando tudo isso, espero que eu esteja errado no final. Que nosso Irmão Alberisson juntamente com Nadelson e Joel nos conduza para o caminho do sucesso; quero voltar a acreditar que covardia não domina a nossa tropa, e que os homens de brio são a nossa esmagadora maioria. Que o Não ao PJES não seja temporário, mas definitivo, que todos se unam apenas para fazer o que a leve pena da lei nos exige, e nada mais.  A vida segue seu Rumo, e é isso que faremos.