quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Canto - Recife


Estou distante d tudo quanto é perto
E perto d tudo quanto é longe,
Gosto das tuas esquinas sombrias,
E das tuas gramas sujas
Nos parques abandonados;
Gosto dos teus bancos
Que servem d cama
Para tuas crianças,
Das tuas pontes
Que atravessam
Tuas ilhas de concreto, cortadas pelo rio e pelo mar.
Encanto-me com teus prédios,
Com teus casarões,
Com tuas praças e parques,
Ilhas e pontes,
Lamas e mangues,
Que teus poetas cantavam.
Não só por isso sou teu,
Mas tu és minha por isso,
E este meu canto
Estou a te devotar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário