sábado, 22 de setembro de 2012

Não sou eu



Eu sei que vai chegar
Alguém que não sou eu
O amor na tua porta
mas o sentir não é o meu

Eu sei que vais te dar
a carinhos que não se deu
Nas mãos que te Procuram
Mas sei que não serei eu

Teus olhos vão mergulhar
em outros olhos apaixonados
falando mil palavras
No silêncio que não é meu

Teu corpo vai abraçar
outro corpo que te ama
outros braços vão te ter
braços que não são meus

O teu cheiro inebriante
de tão doce que sacia
o olfato bandeirante
de um ser que não sou eu

Depois que te fartares
do amor que não é meu
terás a singela noção
daquele ser que não foi teu

Mesmo longe dos teus braços
Mesmo aquilo que não se deu
Me perturba o pensamento
com o que não aconteceu

Fujo da culpa dos teus olhos
Me escondo dos braços teus
Devoto apenas palavras
Aos sensíveis ouvidos teus.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Formatando





Apaga tuas memórias
Deleta teus arquivos
Formata tua vida
Reenicia teu sistema

Cria novas imagens
Edita novos textos
Associa novas tabelas
Organiza o bancos de dados
Nova velocidade
Sinapse mais leve
Layout renovado

Exclui o lixo
Renova a vida
Uma nova história

Publicado: 19.09.2012

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Escrever e Amar



O que me faz escrever?
Alegria,
dor,
solidão,
esperança…

O que faz alguém lê meus escritos?
Identidade,
interesse,
curiosidade,
desafio…

O que me faz ser compreendido?
Irmandade,
reciprocidade,
sentimentos,
verdade…

O que faço para chegar na tua alma?
Conexão,
Intimidade,
Cumplicidade,
sinceridade…

O que falo nos meus versos?
O velho desejo,
o segredo proibido
a verdade silenciada
meu amor escondido…

O que cerra minha pena?
A sanidade estampada,
Não ver a dor do inocente,
É ver a pureza da tua alma,
e o perturbar da tua mente…

Desse descontínuo
deixo minhas intenções soltas no ar
acreditando no caminho do vento
que teu cabelo vai embaraçar.

Falar sem palavras
sentir sem tocar
amar como o amor:
sozinho, sem ter um par.

Acredito no amor,
que perdoa os pecados
que recupera o perdido
e fortalece o cansado.

Amor que envolve os errantes
Amor que revela o amar
Amor que recompensa a alma
Amor que ensina a perdoar.

Assim silencio meus versos
neste instante do pensar
Tentando falar sem mais palavras
que é isso que entendo por amar.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Canto - Recife


Estou distante d tudo quanto é perto
E perto d tudo quanto é longe,
Gosto das tuas esquinas sombrias,
E das tuas gramas sujas
Nos parques abandonados;
Gosto dos teus bancos
Que servem d cama
Para tuas crianças,
Das tuas pontes
Que atravessam
Tuas ilhas de concreto, cortadas pelo rio e pelo mar.
Encanto-me com teus prédios,
Com teus casarões,
Com tuas praças e parques,
Ilhas e pontes,
Lamas e mangues,
Que teus poetas cantavam.
Não só por isso sou teu,
Mas tu és minha por isso,
E este meu canto
Estou a te devotar.